O Diabetes é uma doença da qual ouvimos falar muito, e está mais presente em nosso cotidiano do que imaginamos.

Diabetes é uma doença provocada pela falta ou deficiência do hormônio insulina, que é produzido pelo nosso pâncreas. Quando há essa deficiência, ou falta de produção, a glicose (açúcar) que ingerimos não é transformada em energia, ela fica no sangue, isso é o diabetes – altas taxas de açúcar no sangue.

Quando a diabetes é diagnosticada, além dos medicamentos que o médico prescreverá, será ressaltada a importância de manter uma dieta equilibrada, tendo que moderar o consumo de alguns alimentos, entre eles o tão desejado e temido açúcar.

Existem dois tipos da doença que são classificadas em: diabetes um e diabetes dois, fora isso ainda temos a pré-diabetes.

O diabetes tipo um é uma doença autoimune, quando o próprio organismo cria anticorpos de defesa, e nesse caso ataca o próprio pâncreas – criador do hormônio insulina, esse tipo de doença é mais identificado em crianças. O tipo dois, seria o caso mais comum dessa doença, acomete mais os adultos acima de 40 anos e obesos e envolvem além de uma predisposição genética da pessoa para a doença, outros fatores como a vida sedentária e a obesidade. Já a pré-diabetes é como se a pessoa estivesse em um estado intermediário entre ser saudável e possuir a doença (mais especificamente entre o tipo dois). As causas da pré-diabetes comumente são o ganho de peso, tendência genética, consumo de alimentos hipercalóricos, o sedentarismo, mas, enfatizando que o maior fator de rico causador desse tipo de doença é o ganho de peso. Essa é a versão mais “controlável” da doença, pois se o paciente seguir o tratamento corretamente e adotar um estilo de vida saudável e equilibrado, poderá não ter mais a doença.

AFINAL, POSSO CONSUMIR MEL SENDO DIABÉTICO?

O mel é composto por açúcares simples (glicose e frutose), esses dois itens compõem 75% do mel, além dele também possuir minerais e vitaminas na composição.

Sabendo disso, a resposta é: o mel pode ser consumido, porém muito moderadamente. Sendo a glicose um dos componentes do mel, não é interessante que diabéticos o consumam sem ter um equilíbrio, podendo ser prejudicial à saúde.

Mel e o Diabetes

Fonte: Tabela Brasileira de Composição dos Alimentos / Taco – versão 2, UNICAMP.

EFEITOS COLATERAIS NO TRATAMENTO DO DIABETES E O BENEFÍCIO DO MEL

Para a diabetes, usamos um termo chamado Hiperglicemia, que é exatamente o que foi explicado acima: altas taxas de açúcar no sangue.

Quando é iniciado o tratamento, na maioria dos casos com a aplicação de insulina, é necessário que se inclua na dieta a glicose (açúcar) de acordo com a dose utilizada do hormônio, caso contrário ocorrerá um efeito colateral: a hipoglicemia, a baixa taxa de açúcar no sangue.

No caso do diabético em tratamento, ocorre quando ele toma a dose de insulina, mas não ingere a quantidade necessária de glicose.

Neste caso é necessário o consumo do mel, por exemplo, como já falamos ele é composto por glicose – que proporciona a energia quase que instantaneamente, e a frutose – que proporciona uma energia mais sustentada, aos poucos, já que o organismo a absorve mais lentamente.

É importante que o diabético siga corretamente o tratamento prescrito a dieta saudável e que respeite sempre o equilíbrio, não é permitido nada demais, nem de menos.

Apesar de ser uma doença séria e que acomete cada vez mais pessoas jovens e adultas, é possível sim levar uma vida com saúde e qualidade e por mais que essas informações possam te ajudar, somente o médico que conhece o seu caso, com suas particularidades, individualidades e necessidades poderá bater o martelo e determinar se o diabético pode comer mel e se ele deve ser inserido na sua dieta. Assim, nunca deixe de consultá-lo para saber como inserir e também como consumir corretamente o mel em seu dia a dia.